Rio Grande - Sexta-feira, 15/12/2017
:: 90 anos do Porto de Rio Grande
:: Artigo
:: Cartas
:: Colunas
:: Comunidade
:: Curtas
:: Economia
:: Editorial
:: Empreendedor
:: Especial
:: Esportes
:: Foto da Semana
:: Geral
:: Pier News
:: Rio Grande - 270 anos
:: Variedades

:: Min. 19º
:: Max. 25º
Câmbio Compra Venda
U$ com. - -
U$ par. - -
Indicador Valor
Poup. Dia -



Empreendedor 20/06/2005

CONQUISTA: o carismático professor de Inglês ganhou a simpatia e o respeito dos alunos

Zeka já era conhecido dos alunos de idiomas

Quando tinha 12 anos, José Carlos Patta Alves, o Zeka, pediu à sua mãe para estudar num curso particular de Inglês, porque estava começando a aprender aquele idioma no colégio e não queria ficar para trás dos colegas. “Descobri um dom”, recorda ele. A paixão foi tanta que tornou-se professor de cursos de idiomas, também em pré-vestibular e supletivo e hoje, com 40 anos, é proprietário de uma escola: a ZK Idiomas, aproveitando o nome já conhecido no meio.
Zeka também exerce a engenharia civil, formado pela Furg. Teve experiência na vida noturna, em 1992 organizando festas na Sociedade Cruzeiro do Sul (atual Germânia); em 95, como proprietário do Yellow Bus, que não foi exitosa; e na virada de 1999 para 2000, no Jack Tequila, este sim um sucesso na época.
Para tornar-se proprietário de um curso de línguas (lá é ensinado o Inglês e o Espanhol), ele pediu demissão da franquia que lecionava, em 97, abrindo uma outra pouco conhecida na região: a Cipex Idiomas, na rua Napoleão Laureano. Durou um ano apenas, porque “a franquia não acrescentava nada. Não era conhecida por aqui”. Então, resolveu investir em seu nome, já conhecido entre os estudantes. A ZK Idiomas surgiu em 1999 na rua General Câmara. Dois anos após alugou outro prédio ao lado. A empresa estava crescendo e ele juntando dinheiro para construir uma sede própria. O prédio foi comprado em 2004 e dia 31 de maio último realizou a mudança definitiva.
O prédio foi construído especificamente para abrigar um curso de idiomas, na rua General Câmara, defronte à escola Joana D’Arc. São 12 salas de aula, auditório e sanitários distribuídos em três pavimentos. No térreo, existe banheiro e rampa para deficientes. A médio e longo prazos a intenção é construir o quarto andar, “de acordo com a resposta do mercado”.

“O SOL NASCEU PARA TODOS”
Zeka observa que a grande vantagem em não ser uma franquia “é ter condições de buscar o que existe de mais atualizado no mercado. Os alunos também dizem que o ambiente informal é um diferencial. Aqui eles se sentem em casa, tem total liberdade de levar um cafezinho para a sala de aula. É um local aconchegante. O Inglês é uma atividade extra e tem de ser prazerosa. Não existe aprendizado se o aluno não se sentir bem. E nossa filosofia é que todo aluno tem de ser tratado diferencialmente. Aluno não é mais um. É um”.
O empreendedor afirma que, para falar fluentemente, é necessário cursar seis semestres. “Entre o terceiro e o quarto semestre ele já consegue entender música, ver filme e viajar também. Aqui trabalhamos quatro habilidades ao mesmo tempo: ouvir, falar, ler e escrever. Tem a abordagem comunicativa, que o pessoal chama de conversação”, explica.
Os alunos são de 7 a 70 anos e, quanto mais cedo iniciar o aprendizado, melhor. O curso de Espanhol também está crescendo, mas o Inglês é o mais procurado e tem uma explicação para isso. “O grande fator motivador foi a exigência do mercado. Não basta ter diploma, é preciso ter competência lingüística e conhecimento compatível”, diz ele, acrescentando que os alunos, em sua maioria, mesmo depois de concluírem os semestres continuam fazendo cursos avançados de conversação. Outro detalhe é que a ZK Idiomas promove atividades específicas em datas tradicionais, como o Halloween, Dia dos Namorados e outras.
O espírito empreendedor existe no entrevistado porque, segundo ele, “sou um cara ambicioso. Vim de uma família normal. Nunca tive grandes confortos e, para buscar estabilidade financeira, e conseqüentemente emocional, tive de arriscar. Não ganhei sempre o que investi nas coisas. Aprendi a perder também, mas ganhei mais que perdi”.
Zeka também diz que aprendeu muito com o casal Consoni (“vi como eles são empreendedores, e isso me estimulou”), inclusive acompanhando Gilberto em viagem à China (também esteve nos Estados Unidos). Ele considera que o principal é o cliente (“o aluno tem de vir para a aula com prazer”) e estar sempre atualizado. Também entende que o investimento em marketing é muito importante.
José Carlos Patta Alves avalia Rio Grande como um bom mercado. “São muitas escolas, mas tem demanda para todas”, observa, citando uma filosofia sua: “O sol nasceu para todos. Conseguir mais ou menos é uma questão de como te posicionas em relação a ele”.



17/07/2007
- INFORME EMPRESARIAL

23/01/2006
- Analisando o setor da construção civil

17/01/2006
- Investindo pesado no esporte rio-grandino

09/01/2006
- Rumo às vendas do futuro

03/01/2006
- Sucesso no mercado de parafusos

26/12/2005
- Ele se considera um cidadão da Zona Sul

21/12/2005
- A concorrência é a maior aliada

12/12/2005
- O segredo da gastronomia é a qualidade

06/12/2005
- O sucesso nas vendas depende do trabalho duro

29/11/2005
- Novo conceito no ramo da construção civil

1  2  3  4  5  >   

     C o m e n t á r i o     

    I n d i c a r    N o t í c i a     

    I m p r i m i r
Participe do Jornal Bom Dia, que agora é diário, o que gostarias de ver mais em nosso jornal?
Classificados
Notícias de jovens (baladas, variedades, vestibular)
Notícias de desenvolvimento da cidade
Vou escrever um e-mail e mandar minha opinião
Câmara de Comércio
Câmara de Vereadores
Pesca Rio Grande
Porto do Rio Grande
Prefeitura Municipal
Rio Grande Virtual
Universidade do Rio Grande