Rio Grande - Sexta-feira, 15/12/2017
:: 90 anos do Porto de Rio Grande
:: Artigo
:: Cartas
:: Colunas
:: Comunidade
:: Curtas
:: Economia
:: Editorial
:: Empreendedor
:: Especial
:: Esportes
:: Foto da Semana
:: Geral
:: Pier News
:: Rio Grande - 270 anos
:: Variedades

:: Min. 19º
:: Max. 25º
Câmbio Compra Venda
U$ com. - -
U$ par. - -
Indicador Valor
Poup. Dia -



90 anos do Porto de Rio Grande 14/11/2005




O projeto da Barra, a ser executado, originou-se da comissão presidida pelo engenheiro Honório Bicalho em 1883, posteriormente pouco alterado, analisado e aprovado pelo engenheiro holandês Pieter Caland, em 1885, que propôs a adoção de molhes convergentes.

Porto do Rio Grande e Molhes da Barra: há 90 anos de braços abertos para o progresso do Estado

Linha do tempo

1915
Porto do Rio Grande e Molhes da Barra: há 90 anos de braços abertos para o progresso do Estado

1934
A União renovou o contrato de concessão portuária ao Estado do Rio Grande do Sul, pelo prazo de 60 anos, incluindo a manutenção de hidrovias do Estado.

1951
Face à importância que passou a adquirir o complexo hidro-portuário riograndense, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul criou, através da lei nº 1561, de 1º de outubro de 1951, o Departamento Estadual de Portos, Rios e Canais (Deprc), autarquia que englobou os serviços concedidos, entre eles o Porto do Rio Grande, e outros executados pelo Estado na área hidroviária.

1970
Pela dragagem do canal de acesso da Barra para navios calando até 40 pés e pela incorporação da área de expansão (Superporto), abriram-se amplas perspectivas de crescimento e desenvolvimento do Porto do Rio Grande.

1994
No mês de agosto, expirou o prazo do Contrato de Concessão Portuária ao Estado, que foi prorrogado até 31 de março de 1997 para possibilitar os ajustes impostos pela Lei nº 8.630/93. A Lei 8.630/93 mudou significativamente as relações de trabalho e a operação nos portos brasileiros, e em Rio Grande não foi diferente. Hoje, entre outras alterações, a operação portuária é feita totalmente por operadores portuários privados.

1996
A Lei Estadual nº 10.722, desmembrou o Porto do Rio Grande do Departamento Estadual de Portos, Rios e Canais, criando a autarquia Superintendência do Porto de Rio Grande (Suprg), para administrar o Porto do Rio Grande, na qualidade de executor da Delegação da União ao Estado do Rio Grande do Sul, situação atual do complexo portuário do Rio Grande, cuja vocação é de ser o grande centro concentrador de cargas do Mercosul.

1997
Em 27 de março foi assinado o Convênio nº 001/97 - PORTOS/97, que delegou ao Estado do Rio Grande do Sul a administração e exploração dos portos de Rio Grande, Pelotas, Porto Alegre e Cachoeira do Sul, por mais 50 (cinqüenta) anos.

2005
Porto do Rio Grande completa 90 anos de história como um dos mais importantes da América Latina. Trabalha com os maiores operadores portuários do mundo e destaca-se na exportação de grãos, madeira, auromóveis e gado vivo.

------
A primeira providência oficial para melhorar a segurança da navegação nesta região aconteceu em 1846, quando o Governo Imperial criou a Inspetoria da Praticagem da Barra. Com isso reduziram-se consideravelmente os acidentes na Barra. A partir daí, passou a desenvolver-se uma crescente navegação através da Barra, sendo contadas em 1847, 668 embarcações que a transpuseram. Surgiu um pequeno porto, localizado onde hoje é o Porto Velho, no centro da cidade, freqüentado principalmente por embarcações a vela. A contínua agitação das águas na embocadura, as freqüentes mutações dos canais e as profundidades insuficientes que raramente ultrapassavam 3,6 metros (12'), tornavam a transposição da Barra extremamente perigosa, cobrando um pesado tributo à navegação em acidentes marinhos, inviabilizando o comércio e o desenvolvimento da região.

Em 1855, o Ministério da Marinha enviou o Ten.Cel. Eng. Ricardo Gomes Jardim, especializado em engenharia hidráulica, para estudar a Barra e o Porto e concluiu “que devem reputar-se inexeqüíveis, senão mais nocivos do que úteis, quaisquer construção de pedra ou de madeira, no intuito de prolongar o leito do rio ou dar maior força à corrente”. A seguir, outros consideraram a Barra “não suscetível de melhoramentos por meio de trabalhos hidráulicos”. Em 1860, a profundidade da Barra não ia além de 2,20 metros.

Somente em 1875, Sir John Hawkshaw, comissionado pelo Governo Imperial, visitou o Porto do Rio Grande e propôs a construção de quebra-mares partindo do litoral para o oceano, de um e outro lado da embocadura com uma extensão de cerca de 2 milhas (3.220m) cada.

Em 1906, o engenheiro Elmer Lawrence Cortheill foi contratado pelo Governo brasileiro para executar as obras de fixação da Barra de Rio Grande, com aprofundamento para 10m, e a construção de dois molhes convergentes e um novo porto na cidade do Rio Grande (hoje conhecido como Porto Novo). Cortheill organizou a companhia “Port of Rio Grande do Sul”, com sede em Portland, Estados Unidos, que construiria e exploraria o porto por 70 anos.

Em 1908, devido às dificuldades do engenheiro Cortheill conseguir nos EUA o capital necessário à execução das obras, constituiu-se em Paris a “Compagnie Française du Port du Rio Grande do Sul”, com capitais europeus, à qual foi transferido o contrato através do decreto nº 7.021, de 09 de julho de 1908. Dois anos depois, iniciaram-se efetivamente os trabalhos de construção dos molhes e do novo porto.

Os Molhes da Barra do Rio Grande foram construídos para dar segurança à navegação. No início do século passado, o acesso ao Porto era conhecido pelos problemas de calado e risco de naufrágios. Após várias décadas de estudos e projetos para controlar as condições adversas da entrada do Porto do Rio Grande iniciou-se em 1909 a construção dos Molhes que foi concluída em 1º de março de 1915.

Formados por dois braços de rochas que adentram 4 km no Oceano Atlântico, os Molhes são essenciais para a navegação e de grande importância para a economia do Rio Grande do Sul. Além disso, passaram a ser um inesquecível ponto turístico No Molhe Oeste é possível desfrutar de um agradável passeio de vagonetas à vela, que deslizam sobre trilhos até a sua extremidade. Além disso, é um ótimo local para se contemplar a natureza e para a prática da pesca amadora.

Em 1º de março de 1915, aproximadamente às 17h30min, o navio-escola Benjamin Constant, da Armada nacional, calando 6,35 metros, transpôs a Barra. Por volta das 18h30min, atracou no cais do Porto Novo do Rio Grande, em meio a solenidades festivas.

Os Molhes da Barra do Rio Grande são considerados uma das maiores obras de Engenharia Portuária do mundo. Nessa obra foram colocadas 3.389.000 (três milhões, trezentos e oitenta e nove mil e oitocentas) toneladas de pedras.

Os Molhes da Barra e o seu entorno servem de refúgio a vários animais, tais como gaivotas, garças, biguás, golfinhos e leões-marinhos que se alimentam dos abundantes cardumes de peixes que habitam as águas dos arredores. Também é um dos principais pontos turísticos da região, atraindo praticantes da pesca esportiva e outras modalidades de esporte.



28/06/2007
- Movimentação no porto aumenta 6,92% em cinco meses do ...

14/11/2005
- Área ambiental tem recebido bastante atenção
- Veículos são a vedete da movimentação no cais
- Ex-diretor conta como o Porto se tornou moderno e compe...
- Porto é divido em vários segmentos de carga
- Funcionária aposentada diz que o Porto foi sua segunda ...
- Comemorações de aniversário terão programação variada
- Com a palavra...
- Benefícios do Porto vão além das fronteiras da economia
- Superintendente afirma que Porto do Rio Grande conquist...

1   

     C o m e n t á r i o     

    I n d i c a r    N o t í c i a     

    I m p r i m i r
Participe do Jornal Bom Dia, que agora é diário, o que gostarias de ver mais em nosso jornal?
Classificados
Notícias de jovens (baladas, variedades, vestibular)
Notícias de desenvolvimento da cidade
Vou escrever um e-mail e mandar minha opinião
Câmara de Comércio
Câmara de Vereadores
Pesca Rio Grande
Porto do Rio Grande
Prefeitura Municipal
Rio Grande Virtual
Universidade do Rio Grande